.




Copyright © 2000/2002 - Pesquisa, Texto e Acervo de Fotos: Evangê Costa - Todos os Direitos Reservados.
 Extraído do Livro ''O Caminho das Pedras - A Saga do Pessoal do Ceará''
website oficial
website oficial

RETRATO
Gravadora:
BMG (Nº 7432128477-2)
Lançamento: 1995 (LP/CD)

 

Chorei Por Você (Fagner e Fausto Nilo)
Melhores Dias
(Fagner e Abel Silva) e
Distância
(Fagner e Guilherme de Brito)
O Amor Riu de Mim (Altay Veloso),
Seca do Nordeste
(Waldir de Oliveira e Gilberto Andrade),
Baião da Rua
(Nonato Luiz e Fausto Nilo) e
Poeira
(Luiz Bonan e Serafin C. Gomes)
Acorda, Sorri (Petrúcio Maia e Brandão)
Toque a Madeira (Petrúcio Maia e Abel Silva)
Rubi Grená (Nonato Luiz e Sérgio Natureza)

 

        Depois da bem-sucedida temporada de três dias no Canecão, no Rio de Janeiro (4 a 6 de novembro de 1994), como de costume Raimundo Fagner retornou logo em seguida ao Ceará para um período de férias. Iniciou o ano de 1995 com show, inaugurando o Centro de Convenções do Hotel Praia das Fontes, em Beberibe, acompanhado do violonista Nonato Luiz e do humorista Tom Cavalcante. No final do mesmo mês (dia 25) apresentou o show ''CABOCLO SONHADOR'' no Clube do vaqueiro, em Fortaleza, para em seguida seguir para o Rio de Janeiro para o ínicio das gravações do novo disco.
        Decidido a abandonar o Rio de Janeiro e fixar moradia em Fortaleza, Raimundo Fagner passou praticamente todo o ano de 1995 no Ceará. Em março, durante o lançamento do disco ''PATATIVA DO ASSARÉ, 85 ANOS DE POESIA'', no Theatro José de Alencar, participou do show cantando Vaca Estrela e Boi Fubá e Triste Partida em homenagem ao poeta. Em abril, foi a principal atração do ''I BAILE DA CIDADE'', no Náutico Atlético Cearense, abrindo as comemorações do aniversário de Fortaleza. Em junho retornou para o lançamento de ''RETRATO'', 19
º álbum solo de sua carreira.
        Depois do malquisto álbum ''DEMAIS'', de 93 e do malsucedido ''CABOCOLO SONHADOR'', de 94, Raimundo Fagner voltou romântico em ''RETRATO'' . E o melhor: tirou antigas canções do baú, nunca gravadas, e embora com arranjos atualizados, lembra o Fagner do final dos anos setenta. Músicas como Acorda, Sorri, de Petrúcio Maia e Brandão, Toque a Madeira, também de Petrúcio Maia em parceria com Abel Silva, Rubi Grená, de Nonato Luiz e Sérgio Natureza eram presenças constantes nos shows. Acorda, Sorri foi gravada pela cantora cearense Teti em 1980 no disco ''MELHOR QUE MATO VERDE'', de Petrúcio Maia; Toque a Madeira e Rubi Grená foram gravadas por Guadalupe nos discos ''PRINCESA DO MEU LUGAR'' (RCA, N
º 103.0365) de 1980, e ''RUBI GRENÁ'', de 1987, respectivamente.
        O disco ''RETRATO'' (BMG, CD
º 7432128477-2) lançado em junho de 1995, tem dez faixas e apenas três assinadas por Fagner e em parceria: Chorei Por Você, com Fausto Nilo, Melhores Dias, com Abel Silva e Distância com Guilherme de Brito. Além das citadas as outras faixas são O Amor Riu de Mim (Altay Veloso), Seca do Nordeste (Waldir de Oliveira e Gilberto Andrade), Baião da Rua (Nonato Luiz e Fausto Nilo) e Poeira (Luiz Bonan e Serafin C. Gomes).

        ''Eu conheci o Guilherme de Brito na cidade dele, em Conservatória, no estado do Rio. Lá eles têm tradição de serestas e fizeram uma homenagem para mim que não esqueço: batizaram uma casa com o nome de uma música minha. Quando acordei, às 7h da noite, tinha uma multidão e não sei quantos violões cantando Mucuripe na janela do meu quarto. Eu não segurei a barra, chorei. Eu só conhecia o Guilherme como o parceiro de Nelson Cavaquinho e pedi: 'Velho, me salve.' Ficamos juntos até 4 h da manhã e combinamos uma parceria, que veio a acontecer meses depois com Distância . É talvez a minha música favorita desse disco.''

                                                              * * * *

        A crítica especializada gostou - embora poucos tenham escrito sobre ''RETRATO'' - e pela primeira vez, depois de vários álbuns lançados, não reclamou ou ''meteu o pau'' no disco.
        Raimundo Fagner ficou feliz com o resultado de vendas e de execução nas rádios e infeliz ao mesmo tempo por razões muito pessoais. Enquanto trabalhava no lançamento do disco, no início do mês de junho de 1995, o seu pai, o Sr. José Fares Lopes, de 94 anos, veio a falecer de insuficiência respiratória, abatendo-o profundamente.

Discografia