Data da ultima atualiza�ao
24/11/2017



Médicos de São Paulo param de atender planos de saúde



Pesquisa inédita aponta que cerca de 90% dos profissionais da medicina, odontologia e fisioterapia sofrem pressões das empresas nocivas aos pacientes

Dois dias após a coletiva, profissionais das três áreas tomarão a Avenida Paulista de ponta a ponta

Na terça-feira, 23 de abril, às 11h, entidades médicas, de cirurgiões-dentistas e de fisioterapeutas promovem coletiva à imprensa para apresentar o resultado de pesquisa inédita com 5.000 profissionais de saúde sobre os principais problemas na relação com os planos de saúde.

Os resultados são estarrecedores e dão conta que os prestadores das três áreas estão absolutamente insatisfeitos com questões como interferência na autonomia, remuneração e os entraves colocados para dificultar o acesso dos pacientes aos procedimentos, exames, etc.

Na ocasião, os médicos também darão todos os detalhes de como será a suspensão do atendimento aos planos de saúde em 25 de abril.

Horário da coletiva: 11 horas

Local: Associação Paulista de Medicina – Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 278 – Bela Vista / São Paulo (SP)

Protesto tomará conta da Avenida Paulista de ponta a ponta, com faixas nos cruzamentos, bandeiras na ilha central e a soltura de 10 mil bexigas pretas

No próximo dia 25 de abril, médicos de todo o Brasil realizarão um Dia Nacional de Alerta aos Planos de Saúde. A ideia é tornar pública a insatisfação com as inaceitáveis e recorrentes interferências das empresas no exercício da medicina, reivindicar honorários justos e, especialmente, exigir condições adequadas para uma assistência de qualidade aos pacientes.

Em São Paulo, o atendimento eletivo a todos os planos será suspenso. Contudo, as urgências e emergências serão assistidas integralmente. Os médicos tomarão toda  a Avenida Paulista das 7h às 10h, com faixas nos cruzamentos das duas vias, denunciando os problemas enfrentados na relação com os planos de saúde.

 Também a ilha central da Avenida Paulista será ocupada, desde o Paraíso até a Consolação, com bandeiras de protesto e alertas à população. Em todos esses pontos, nas calçadas, haverá distribuição de uma carta aberta e de saquinhos de lixo para carros com os dizeres: “Lugar de plano ruim é no lixo. Sua saúde merece respeito”.

Nos cruzamentos da Avenida Paulista a partir da Avenida Brigadeiro Luís Antônio, estarão presentes lideranças da Associação Paulista de Medicina, Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Sindicatos dos Médicos, Academia de Medicina de São Paulo, sociedades de especialidades médicas, além do Conselho Regional de Odontologia, Associação Brasileira de Cirurgiões-Dentistas e da Federação Nacional de Associações de Prestadores de Serviço de Fisioterapia.

Encerrada essa etapa, por volta de 10h, os médicos seguirão, todos eles, dos vários pontos da Paulista, para a escadaria do Colégio Objetivo, no nº 900, para um ato público, durante o qual serão soltas 10 mil bexigas pretas, para manifestar a insatisfação e a preocupação da classe com os rumos da saúde suplementar no país.

Criada: 18/04/2013







aaa aaa


Apoio


Boheringer

 

Rua Machado Bittencourt, 205 8 andar, cj.83 - Vila Clementino - 04044-000 - São Paulo - SP Tel: 0800-171618 - sppt@sppt.org.br